Lombos de pescada em molho cremoso e arroz basmati

Quem tem ou já teve crianças em casa sabe da dificuldade que é fazer com que comam peixe. É porque tem espinhas, tem pele, e o diabo a sete.

Como não abdico de que comam peixe, tento inovar o máximo possível e dar-lhes o peixe que eles gostam. Os lombos ou medalhões são uma solução recorrente e sempre bem sucedida.

Desta vez decidi inovar um pouco de modo e torná-los mais apelativos e originais.

Usei:

  • uma emabalagem de lombos/medalhões de pescada;
  • uma embalagem de creme de marisco;
  • leite, farinha Maizena e manteiga para o molho bechamel;
  • 2 ovos cozidos, queijo ralado para gratinar;
  • miolo de camarão;
  • sal, pimenta em grão e louro.

Lombos de pescada em molho cremoso e basmati

Em água aromatizada com sal, pimenta moída e uma folha de louro, cozi ligeiramente os lombos de pescada e reservei. Coloquei num tabuleiro de ir ao forno junto com miolo de camarão.

Lombos de pescada em molho cremoso e arroz basmati

Fiz um molho bechamel do modo habitual. À parte fiz um pacote de creme de marisco conforme as instruções mas juntei apenas cerca de 3/5 da água recomendada pois a ideia era juntar o creme ao molho bechamel.

Fui juntando aos poucos até me parecer que a textura e cor eram as desejadas e que o complemento de sabor entre o adocicado do bechamel e o salgado e apetitoso do creme estava “no ponto”.

Lombos de pescada em molho cremoso e arroz basmati

Reguei o peixe com o preparado. Juntei dois ovos cozidos partidos em pedaços pequenos para enriquecer o conjunto. Cobri com queijo ralado e levei a gratinar.

Lombos de mescada em molho cremoso e arroz basmati

Servi com um simples e aromático arroz basmati e uma salada mista de tomate e pepino.

Vinho branco - 1958 - Adega Cooperativa de Almeirim - Amigos do Balde

Harmonizei com um vinho branco ribatejano. O 1958 é uma edição especial e comemorativa dos 50 anos da Adega Cooperativa de Almeirim, limitada e numerada em que as características dos vinhos brancos do Ribatejo estão enaltecidas ao máximo. Fernão Pires e Tália numa simbiose refrescante e bem conseguida.

Bom apetite. Experimentem e comentem!

Frango oriental com espinafres fritos

A marinada é uma técnica culinária que utilizo frequentemente. Uma boa marinada empresta às carnes, e não só, novas nuances de aroma, cor, sabor e textura.

Além disso respeitando algumas combinações base podemos variar na marinada. A ideia é quase nunca repetir a mistura.

Uma das carnes que melhora substancialmente após marinar é a de peito de frango. Desta feita optei por uma marinada com sabores do oriente.

Usei peito de frango que parti em pedaços. Óleo de sésamo, molho de soja, um pouco de gengibre fresco ralado, umas gotas de sumo de limão e alho em pó.

Deixei a marinar num saco de plástico ao qual retirei o ar em excesso, tendo o cuidado de ir virando o saco de tempos a tempos para toda a carne embeber a marinada por igual.

Frango oriental com espinafre frito

Passadas umas horas levei os pedaços de frango a cozinhar por instantes numa wok bem quente com óleo de amendoim. Polvilhei com algumas sementes de mostarda.

Na fritadeira, em azeite bem quente, fritei umas folhas de espinafres lavadas e bem secas. Uma boa opção para quem tem crianças em casa.

Os espinafres assim cozinhados ficam muito saborosos e com um aspecto e textura bem sui generis.

Empratei o frango com os espinafres, duas fatias de bacon bem seco e estaladiço e algumas azeitonas.

Frango oriental com espinafres fritos - Amigos do Balde

Acompanhei com uma deliciosa Erdinger Weissbier Dunkel. Uma cerveja de trigo alemã que é um atentado à minha linha e sanidade. Uma das minhas cervejas preferidas.

Bom apetite. Experimentem e comentem!

Entrecosto de porco preto com alho e rosmaninho

Esta é uma receita simples e deliciosa que vive muito da qualidade dos ingredientes.A suculência do porco e os aromas ricos do alho e do rosmaninho.

Entrecosto de porco preto com alho e rosmaninho

Usei umas maravilhosas peças de entrecosto de porco preto. Massa de alho, flor de rosmaninho, sal e pimenta. Bom vinho branco e bom azeite. Uma cabeça de alho e louro. Desta vez utilizei massa de alho de compra mas também pode fazê-la em casa, juntando alho e sal na picadora.

À massa de alho, juntei a flor de rosmaninho,uns pedaços de louro, um pouco de pimenta moída e um pouco de vinho branco.

Barrei generosamente a carne com esta mistura e coloquei-a em sacos de congelação para levar a marinar durante umas horas no frio. Retiro o ar dos sacos assegurando assim um contacto mais homogéneo da carne com a mistura.

Entrecosto com alho e rosmaninho - Amigos do Balde

Coloquei a carne num tabuleiro de ir ao forno. Reguei com mais um pouco de vinho branco e um fio de azeite. Juntei uma cabeça de alho partida ao meio que além de ser deliciosa assim, assada no forno, serve para decorar o prato.

Levei ao forno bem quente até estar bem crocante e estaladiço por fora.

Acompanhei com umas honestas batatinhas no forno e uma boa salada verde.

Harmonizei com um Vale da Torre tinto de 2005. Um vinho do enólogo Paulo Laureano, grande defensor das castas portuguesas. Este típico alentejano mostrou-se uma boa companhia para o entrecosto e é uma boa opção na relação qualidade/preço.

Vale da Torre 2005 - Amigos do Balde

Um grande almoço de Domingo!

Bom apetite! Experimentem e comentem!